sexta-feira, 26 de junho de 2009

Equívoco





Pensava que fosses criança, mas não és;
Acreditava-te ingênuo, e percebi que não te conhecia.
Descubro-te; percebo tuas fraquezas,
mas também vejo-te hoje, diferente de quem eras.
Mais lúcido, surpreende...ainda tropeças,e
é compeensível para quem começa a andar,
especialmente quando a escolha é em direção a si mesmo,
tão acostumado com o atalho obscuro do fracasso.

No entanto, continuo certa do que vejo,
(na luz que sempre ví)
talvez teimosa ou crécula,
ingênua, mas espero,
transformado no quê não sabes,
mas eu sei.

quarta-feira, 24 de junho de 2009

Recomeço







Hoje quero
correr descalça
na areia,
ter nos ouvidos
assobios e lembranças.

Girar, dar cambalhotas
de sonho
e, estatelada no chão,
descobrir monstros
nas nuvens.

Hoje, quero
ser menina de novo,
ver no futuro
uma vastidão,
o passado, onde mora,
não lembro.

Só tenho o agora,
roçar da grama...
vergões nas pernas,
joelhos ralados,
e as dores
são resolvidas soprando,
ou com mercúrio e ban aid.










terça-feira, 16 de junho de 2009

O Quarto Escuro





Encontrei um quarto escuro aqui dentro,

como um vão de escada, um beco...

Cheio de nada, mas carregado de sussurros.

Ninguém o visita, nem eu tão pouco;

mal vejo que existe, mas está lá...

como um pássaro morto
deixado no freezer da geladeira.

E está vivo,
pulsa sombra adormecida,
prenuncia solidão e perda;
como quando se vem ao mundo,
num desamparo que segue a vida...
que pode ser feliz e cheia de sonhos.

Mas ele permanece lá... o quarto escuro;
avisando fins e começos,
separações e medos,
que são despertados à noite,
ao soluçarmos baixinho, no travesseiro.

Sua porta, às vezes se abre,
sempre na hora do parto,
e depois, inevitavelmente,
haverá de se abrir de novo.

quarta-feira, 10 de junho de 2009

Pedaço da vida







E agora?
O que quero?
O que me envolverá
e não dará para aguentar?


E me tomará inteira,
engolindo minha alma
e me aquecendo a vida?
Ainda não sei...


Só sei que de certo,
haverá algo que me encante;
e me faça novamente
crer no brilho do sol,
na brisa e nas estrelas.


E me fará, excitada,
passar a noite em claro,
mergulhada em
invenções malucas;
que vão mexer comigo toda,
lambendo minha pele,
arrepiando minha nuca.


O que será?
Ainda procuro e não encontro.
E deve ser algo só meu,
que como um chamado
há de me despertar.


Sei que o poder deve partir de mim,
mas essa força ainda não tenho.
Hoje, essa certeza me ajuda
a abrir os olhos pela manhã
e é o sonho que me faz dormir.


Só espero que eu descubra logo...
para curar este vazio
que me corroe por dentro
e não me deixa parar
de chorar, e chorar e chorar.

sexta-feira, 5 de junho de 2009

Arrepio na Espinha




Arrepio de lembrança
cheiro de sonho
incerteza...

Nesga de luz,
no meio da sombras
A M A N H E Ç O.
O ar que respiro
conta segredos
de silêncios.
Um forte desejo,
doce esperança,
e um beijo.



Carmo Tavares

terça-feira, 2 de junho de 2009

O Meu Amado






Quero que meu amado seja aquele,
disposto a investigar meus ais.
E que, compreendendo minhas fraquezas,
vá se enfiando em meu coração,
e bisbilhote vontades,
especulando momentos...
e com seus doces beijos me seduza,
e por cima de mim entre
bem dentro de minha alma,
convidando-a
para mergulhar em seus olhos,
e que eu creia neles,
por ver a luz do sol
a iluminar o seu amor.
Carmo