quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Anseio



Agora sou eu,
que habita nua,
vestida de fogo,
pela vida crua.
Ando,
caminhos tortos,
minados.
Certeza, não há!
Verdades, são vãs.
Vou, com a correnteza do agora,
pensar, não quero,
falar, não posso.

Anseio pelo toque, por delícias...
e divago, no encanto da lua.
Giro, tal qual pião,
no meio da rua,
cabeça vazia, ah!

Esqueço!
Largo, solto, salto pro nada.
Insana, pareço,
contraditória, tola...
desperto!

Então, vagueio...
coberta de negro, da cabeça aos pés,
escondo.
Cores de luto,
disfarço,
por fora, me enfeito,
por dentro, me encaro!

Erin Lagus

4 comentários:

  1. Sinceramente, achei bárbaro do princípio ao fim. Lindíssimo, escrito com maestria. Parabéns, bj.

    ResponderExcluir
  2. Maravilhosamente escrito!Parabéns, querida,
    bjs
    Orlando

    ResponderExcluir
  3. Lindo..adorei!
    Bjs
    Márcia Elisa

    ResponderExcluir
  4. Sandra, Orlando, Márcia, obrigada pela visita, pelas palavras e delicadeza!
    Beijo,
    Carmo

    ResponderExcluir